top of page

Suíça em duas rodas


Pedaladas calmas e tranquilas ou desafiadoras e eletrizantes? Ambas as alternativas, e até mesmo a junção delas, são possíveis na Suíça. Por lá, os ciclistas podem se aventurar por paisagens bucólicas e deslumbrantes ou descobrir diferentes formas de explorar cidades e vilarejos. Com trilhas bem sinalizadas, tudo fica ainda melhor nos meses mais quentes. A principal novidade da temporada é a Rota 1291, batizada assim em referência ao ano de fundação do país. Dividido em sete dias, o trajeto de 385 quilômetros pode ser percorrido em bicicletas elétricas, as e-bikes: a aventura começa e termina em Lucerna, cidade medieval adornada por pontes, muralhas, museus e monumentos, e passa por uma infinidade de montanhas, desfiladeiros, vales, lagos e fazendas. Os highlights incluem as fotogênicas vistas do Lago Lucerna e do Lago Sempach, visita ao cânion do Rio Aare, conhecido como Aareschlucht, e pernoite na charmosa vila Andermatt, a 1.437 metros acima do nível do mar. O roteiro também harmoniza os pedais com diversos restaurantes e vinícolas, como o Castelo e Vinícola Heidegger, e fábricas de queijo arte sanal (em Marbach e Kottwill) e do célebre biscoito Willisauer Ringli, produzido desde 1850 em Willisau.

Inspiradores, os vales da região de Engadina são um convite espontâneo para pedalar. Os roteiros de mountain bike somam aproximadamente 400 quilômetros por florestas, vales e lagos de montanha. Entre os passeios, há uma rota rumo à Itália, com regresso de trem; diversos circuitos na montanha Corviglia, em St. Moritz; e o transporte ao Piz Nair, montanha dos Alpes com 3.057 metros de altura, para depois retornar em bikes percorrendo o entorno do Lago Lej Alv. Outra alternativa é investir em tours com bicicletas elétricas, a exemplo da Trilha Albula, com panorama alpino, ou nas estradas de conto de fadas do Vale Fex, que chega a 2 mil metros acima do nível do mar.

Capital cultural da Suíça, Zurique tem dias ensolarados que merecem ser vividos sobre duas rodas. O frenético bairro Zurique-West é o epicentro de artes, gastronomia e vida noturna em antigos salões virtuais. Por lá, o centro de arte Löwenbräukunst concentra o atual burburinho da cidade, com galerias conceituadas como Francesca Pia, Barbara Seiler e Gregor Staiger. Colina acima, com a opção de e-bikes, o funicular Rigiblick se abre para uma vista surpreendente do bairro histórico Old Town, cortado pelo Rio Limmat. No retorno, o itinerário passa pelas margens do Lago Zurique, cujas nascentes nos Alpes asseguram as águas mais limpas do mundo.

Em Crans-Montana, comuna do distrito de Sierre, no cantão de Valais, o total de circuitos chega a quase 200 quilômetros, disponíveis em pistas de downhill, enduro e cross-country, para diversos níveis. As paisagens alucinantes englobam vinhedos, florestas, lagos, cachoeiras, aldeias históricas, desfiladeiros e uma geleira, horizontes propícios tanto para manobras radicais quanto para perder a noção do tempo. O destino ainda integra pedaladas multigeracionais em família, um playground ciclístico para crianças e pessoas da melhor idade, à beira do Lago Moubra, e para iniciados, nos arredores do centro de esqui Cry d'Er.




Gostam de viagens com um pouco de aventura??



Comments


Você pode se interessar por:
bottom of page