As especiarias do Oriente e uma receita exclusiva.

April 29, 2020

 

 

As especiarias do Oriente têm um papel marcante na História desde o século 11. A busca, a comercialização e a conquista de muitas delas foram pontos de partida para momentos como as Grandes Navegações e até mesmo o descobrimento do Brasil. Mesmo em um mundo globalizado, alguns destinos como Marrocos, Turquia e Índia ainda nos surpreendem por sustentarem características tão genuínas e únicas de suas culturas. Seus mercados e bazares há séculos recebem mercadores, visitantes e turistas, e nos permitem uma verdadeira viagem no tempo e pelos sabores de cada cultura. 

 

 

 ÍNDIA

 

A culinária indiana reflete a tradição do uso e comércio dos temperos e os indianos são definitivamente o povo que mais cultiva o hábito de cozinhar com especiarias. Sua gastronomia continua a fascinar milhares e milhares de turistas que ainda se surpreendem com a pungência dos temperos indianos. O garam masálá é uma das combinações de especiarias em pó mais utilizadas e conhecidas na culinária indiana. Os masálás em pó são preparados agregando as especiarias e torrando-as, antes de colocar a mistura em um pilão para triturar. Normalmente as especiarias do garam masálá powder são: pimenta preta, canela, cravo, cardamomo preto, sementes de coentro e cominho. Já outras versões aceitam cardamomo verde, folha de louro, funcho, macis, pimenta da Jamaica e até pétalas de rosa!  

 

 

TURQUIA 

 

A atual Istambul abrigou civilizações gloriosas como a dos cristãos bizantinos e dos sultões otomanos, e seus traços deixados podem ser sentidos ainda em cada esquina, com seus mercados de especiarias abrangendo uma vasta gama de sabores e influências. A canela do Ceilão é também chamada de canela verdadeira. Como o próprio nome revela, sua origem é do antigo Ceilão, hoje Sri Lanka, e até a chegada dos europeus à distante ilha no início do século 16, seu comércio era limitado e seus preços muito altos. Sua produção é feita da retirada da casca de seus galhos e tronco. Essa casca é seca e enrolada à mão no formato popular de um tubinho com o qual provavelmente você já se deparou. Seu sabor é delicado, não tão picante com as espécies comuns e seu valor ainda é bem alto. Sua melhor utilização é no toque nos pratos doces, tortas, sobremesa com frutas, pães e pudins. 

 

 

MARROCOS

 

Podemos encaixar as tradições culturais marroquinas como o complexo resultado da fusão do mundo árabe com as inspirações europeias. No Marrocos, provar o tajine e o cuscuz, é obrigatório. São pratos que são imperdíveis. O cuscuz, o mais famoso prato marroquino, é feito de sêmola de cereais e pode ser adotado como ótima opção para aqueles que buscam uma alimentação mais leve e saudável. Já o tajine, trata-se de um grande delicioso ensopado de legumes que pode acompanhar carnes e é sempre muito bem condimentado. Tanto o tajine quanto o cuscuz levam generosas doses de temperos. Destaque para ohas el hanout, a mais famosa mistura de especiarias marroquinas composta de mais de quarenta e cinco especiarias como a pimenta preta, coentro, cominho, cravo, cúrcuma, galanga, gengibre, canela e cravo, entre outros.

 

 

 

 

 

 

Conheça a receita exclusiva do Cuscuz com cordeiro e vegetais servido no restaurante do

Hotel La Mamounia, em Marrakesh. 

 

 

Cuzcuz com Cordeiro e Vegetais
Chef Rachid Agouray - La Mamounia - Restaurante Le Marocain

 

Ingredientes (4 porções):


- 500g de cordeiro                      - 200g de repolho branco                   - Pimenta
- 400g de semolina                     - 150g de abóbora                              - Gengibre
- 250g de cenoura                       - 300g de tomate                                - Açafrão
- 200g de nabo                           - 200g de cebola                                - Páprica
- 200g de pimentão vermelho       - 100g de passas e grãos-de-bico          - Óleo
- 200g de abobrinha                   - Salsinha e coentro                           
 - Azeite de Oliva
- 200g de berinjela                      - Sal

 

Prepare Assim:


1. Na parte inferior de uma cuscuzeira, cozinhe em fogo brando as cebolas e a carne com o óleo e os condimentos por 15 minutos. Depois, acrescente 1,5 litro de água.

2. Coloque a semolina numa tigela grande e borrife com água. Deixe o cuscuz absorver o líquido e então regue com um pouco de óleo. Coloque todo o cuscuz na parte da cuscuzeira por onde passa o vapor. Não deixe o vapor escapar.

3. Após 20 minutos de fervura, acrescente as cenouras e os nabos na parte inferior da cuscuzeira para cozinhar em fogo brando por 5 minutos. Enquanto isso, ponha de novo a semolina na tigela e repita o processo do passo dois desta receita. Acrescente o resto dos vegetais, a salsinha e o coentro antes de cobrir de novo com a semolina o cesto por onde passa o vapor. Deixe cozinhar em fogo brando por mais 20 minutos.

4. Repita os passos dois e três desta receita com a semolina. Ao mesmo tempo, remova cuidadosamente os vegetais da parte inferior da cuscuzeira e deixe o caldo e o cuscuz no cesto por onde passa o vapor por 15 minutos.

Coloque o cuscuz no prato e os pedaços de carne e vegetais ao redor. Regue com o caldo de vegetais e salpique com grãos-de-bico e passas. O molho, com o caldo de vegetais e as pimentas, é servido à parte.

 

 

Esperamos que goste! 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Uma travessia pelo Salar de Uyuni

September 9, 2020

Povos e Tribos: conhecendo tradições e costumes

August 10, 2020

1/14
Please reload

Você pode se interessar por:

© 2017 by the lab design.